Sites Grátis no Comunidades.net Wordpress, Prestashop, Joomla e Drupal Grátis
 S.E.R.E.S. UNIDOS DO CABUÇU 
SAMBAS-ENREDO ANTIGOS

1957
Enredo: Sinfonia do trabalho
Compositores: Taú Silva e J. Laurindo

São milhões e milhões de brasileiros
Que trabalham o dia inteiro
Em busca de seu ganha-pão
Cada qual em seu mistér
Lutam e labutam com fé
Para o progresso da nação
Temos os operários civis
E, as industrias fabris
Que trabalham com satisfação
Temos a nossa imprensa
Que numa luta intensa
É a sentinela da nação
Cedo começam a trabalhar
O homem do campo a terra à lavrar
A professora no subúrbio a lecionar
No setor legislativo
Também temos o executivo
Que muito nos faz orgulhar
Um voto as pioneiras sociais
Que são enfermeiras intelectuais
Na ciência temos grandes vultos
Que trabalham para a paz
Ô ô ô
Este é o nosso Brasil trabalhador


1958
Enredo: Aí vem a Marinha e seu patrono
Compositores: Iba Nunes e Jorival de Moraes

No dia 13 de dezembro
Do ano de 1807
Nascia um grande membro
Homem bravo e de grande perfil
Que mais tarde veio a ser
O patrono da Marinha do Brasil
Joaquim Marques Lisboa, que é
O Marquês de Tamandaré
Herói da batalha do Riachuelo
Que foi um dos maiores feitos
Que reza a nossa história
Que lhe cobriram
De perecível glória
Filho de um segundo tenente
Honorário da Marinha Real
Nascido na província do Rio Grande
Voluntário da marinha nacional
É um grande vulto na Marinha
No Brasil, o criador
Da marinha de guerra a vapor
Ele foi o fundador
Das vidas alheias
Sempre foi um salvador
Possuidor de impoluta honradez
Elevou o nome do Brasil
Mais uma vez


1962
Enredo: As glória e os amores de D. Pedro I
Compositores Iba Nunes e Jorival de Moraes

Depois do embarque
Da Família Real
O Brasil ficou a mercê
Do Príncipe Regente
Com sua ideia genial
Prevendo a emancipação
A corte ordenou
A sua volta a Portugal
E aí começou sua glória
Com o “Fico” recebeu a honra
De defensor perpétuo do Brasil
Galgando os anais da história
Quebrando de Portugal a resistência
As margens do Ipiranga proferiu
O bravo grito da “Independência”
Grande defensor de nossa pátria
Casou-se com Maria Leopoldina
Que era princesa da Áustria
No matrimônio não foi feliz
Mais tarde se apaixonou
Por Domitilia de Castro
Vindo a ser a primeira dama
Da imperatriz
Levando sua esposa
A outros tratos
A qual vivia em prantos
Ele construia um palácio
Para Marquesa de Santos
Dom Pedro não teve um lar puritano
Levando a vida de um soberano
La la lara lara la


1964
Enredo: Brasil de norte a sul
Compositores: Iba Nunes e Jorival de Moraes

Brasil, oh meu Brasil
Celeiro divinal
De norte a sul e suntuoso
Tens um relicário sem igual
E um florestal primoroso
Simbolizando a tradição
Que tanta beleza encerra
Jangadeiros e vaqueiros
O terror daquelas terras
Maracatu, maracatu
Em Pernambuco é ritual
E o frevo tradicional
Bahia, de Maria Quiteria gloriosa
Símbolo da mulher corajosa
Bahia, da capoeira e do candoblé
E da linda Praça da Sé
Onde se sente o sabor
Do vatapá e o acarajé
Planalto da engalanada capital
Campo de ação do progresso da nação
São Paulo, com seus parques industriais
Dos antepassados bandeirantes
Rio, dos grandes carnavais
Festa de um povo magistral
Minas Gerais, das rancheiras
Do ouro e pedras preciosas
Rio Grande do Sul
Da uva saborosa
Do churrasco e chimarrita
E ágil cavalheirro
Eis aí a aquarela
Invejada pelo mundo inteiro
Oh meu Brasil


1970
Enredo: As musas de Chico Buarque de Holanda
Compositores: Iba Nunes e Jorival de Moraes

Historiando
A vida de um compositor
Dos nomes idos
Hoje é o sucessor
Chico Buarque de Holanda
Músico, poeta e cantor
Em seu mundo de talento e poesia
E sublime melodia
Revivendo o cancioneiro
Dando novo raio de luz
As musas que lhe conduz
Acompanham seu progresso
Cada canção
Para o povo é um sucesso
Excelentes predicados musicais
Vencedor de varios festivais
A musa sua inspiradora
Fizeram sua alma
Muitas vezes sofredora
Quem não ouviu falar
Da moça feia na janela
Que ficou esperando
A banda passar
Januaria, Rita e Cristina
E a sofredora Carolina
Juana, mais um grande amor
Que o acompanha paea assistir
O seu querido tricolor
Olê, olê olê, olá
Olê, olê, olá


1972
Enredo: Laços de Amizade
Compositores: ????

Laialaiá...
Parabenizamos neste carnaval
Este fato colossal (bis)
Laços de amizade
Brasil e Portugal

Obrigado presidentes
Pela idéia genial
Os povos cantam contente
Por ter direitos iguais
Hoje somos irmanados
E lutamos pela paz

Dando o exemplo ao mundo (bis)
Que guerra jamais

Não esquecemos heróis
Que lutaram por nós
Pela grandeza deste solo tão viril

Hoje somos unidos
Cantamos contentes (bis)
Brasil, de ontem, hoje, sempre


1973
Enredo: Onde começou o Brasil
Compositores: Iba Nunes e Jorival de Moraes

Tudo é música
Samba e carnaval
Apresentamos a origem
Da música nacional
Nos tempos idos
Os negros eram trazidos
Acorrentados e vendidos
Em leilão
Em prantos e lamentos
Ao runfar dos instrumentos
Foi assim
Que o samba começou


1974
Enredo: Devaneios de um poeta
Compositores: Walmir e Wivaldo Antunes

Todo poeta sonha
E eu sonhei um dia
Fui em devaneios
Levado ao país da fantasia
Onde um belo astro-flor
Governava com amor e grande sabedoria
Naquele mundo feito de amores
Fui convidado ao baile das flores
E dancei com a rosa bela e cintilante

Que parecendo uma porta-bandeira (bis)
Foi girando, girando, encantando a noite inteira

Gira, gira, girassol (girou, girou)
Todo mundo a girar (girar, girar)
Nesta festa de alegria, no mundo da fantasia (bis)
Vi todo povo a cantar

O cravo beijou a rosa
Num belo final
Eu vi com alegria (bis)
Que aquele sonho daria
Um tema de carnaval


1975
Enredo: Uiara a deusa da Terra Grande
Compositores: Iba Nunes e Jorival de Moraes

Deusa de um paraíso sem fim
Uiara era assim
De olhos amarelos
Cabelos verdejantes
Que se tornaram marcantes
Como era moça bonita
Com Imberê quis casar
Ela só casaria
Se a noite ele fosse buscar
Lutando com afam
A noite queria encontrar
Onde está a noite, a noite já vem
Onde está o dia, Uiara já tem


1976
Enredo: Reisado das terras das Alagoas
Compositores: Iba Nunes e Gilberto (Beto)

Oh meu povo
Oh avenida querida
Trago a esta passarela
Uma festa colorida
O reisado e um ato popular
Em Alagoas
Quando o Natal esta pra chegar
Retumbam os tambores
As maracas a tinir
Os mestres animados
Enfeitados a sorrir
Visitando mais uma vez
Engenhos, fazendas e povoados
Começando no natal
E terminando em santos reis
Diz outra vez
Alagoas
Terra fértil em cantadores
Reisado, em trajes típicos
E adimiradores
Com reis, rainhas e embaixadores
Percorrem em romaria
Com orações nos entremeios
Bumba-meu-boi é a sensação
Feito sua apresentação
Se despedem cantando o refrão
Senhora dona da casa, agradeço o que fez
Vou embora, vou embora
Para o ano eu volto outra vez
Senhora


1977
Enredo: Sete Povos das Missões
Compositores: Waldir Prateado

Vamos cantar
Os jesuítas e os índios do Brasil
Que com heroísmo fundaram
Os Sete Povos das Missões

Em terras férteis
Não tardaram a florescer
Grandes cidades, riqueza e cultura (bis)
Onde irmanados
Trabalhavam pra vencer

Cobiçados pelos bandeirantes
Desbravadores de terras
A procura do ouro
Chegaram à Tupã-Avaé
E pelo Natal
Atacaram as Missões
Indígenas e jesuítas
Deram combate aos cruéis bandeirantes
Sangue dos dois lados
Corria a todo instante

De pouco a pouco
As Missões começaram a cair (bis)
Estava desfeito um sonho
De uma nação Guarany

Lá no céu
Continua brilhando
O valente cacique Sepé Tiaraju
Que fulgor tem as estrelas
Da Constelação do Cruzeiro do Sul

O "Boi Barroso"
Ninguém consegue laçar
Tata Manha, Mãe do Ouro (bis)
E a guarda fiel
De Tumbaé Avá


1978
Enredo: Cabuçu exalta as pedras preciosas do Brasil
Compositores: Izalmar, Marlony e Valmir

Através da propria natureza
Este solo tem riquezas
Que ninguém no mundo
Pode imaginar
Este é um tema envolvente
Sobre as pedras e nossa gente
Nesta festa popular
Vem o Cabuçu todo enfeitado
Que beleza de reinado
Com brilhantes sem igual
Desde os tempos do rei Dom João
Que estas pedras preciosas
Valorizam o nosso chão

Salve o garimpeiro
Que vive a trabalhar (bis)
No sol o dia inteiro
Para as pedras encontrar

Pedra facetada, o diamante
Rubi tão fascinante
Ametista, uma pedra popular
Topázio, amarelo encantador
Esmeralda que a mulher
Seu nome adotou
E o homem girando em fantasia
Na astrologia
É regido pela pedra e a cor

Água marinha iô iô
Água marinha iá iá (bis)
Presente aos nobres
Que o Brasil tem para dar


1979
Enredo: O gigante negro da Abolição à República
Compositores: Ilzamar, Marlon, Valmir e Amauri

Liberdade
Estava conquistado o ideal
Negros e brancos (bis)
Teriam direito de igualdade
Em todo território nacional

Relembrando uma época distante
Um passado emocionante
No tempo colonial
Onde o negro que sofria dia-a-dia
Mas no peito ainda ardia
Desejo de ser feliz
Correndo para as matas em abrigo
Fugindo do castigo
Nos quilombos iam se refugiar
Pedindo a Deus em forma de oração
A libertação da escravidão

Um negro jornalista
Farmacêutico e escritor (bis)
Em colunas de jornais
Lutava pelos irmãos de cor

Filho de uma negra quitandeira
José do Patrocínio sua vida dedicou
À libertação da escravatura
E o seu sonho realizou
Depois que o gigante negro da Abolição
Pela República lutou
Conseguindo a Proclamação
E assim a liberdade enfim chegou


1980
Enredo: Tua Obra Não nega, Lalá
Compositores: João, Augusto, Celcinho e Dirceu

Hei de torcer, torcer, torcer
Hei de torcer com emoção (bis)
O teu cabelo não nega
Linda morena do meu coração

Lamartine, o grande compositor
É o orgulho brasileiro
Que muitas saudades deixou
Trouxe de berço o seu talento
Que logo se revelou
É linda a primeira valsa
“Torturas de amor”
Na rádio seu programa foi ao ar
A Rádio Nacional
Hoje faz lembrar
O Trem da Alegria
Olé, olê, olá
Louvor em oração
A São Pedro e São João
O teatro de revista musicou
As operetas “Viva o amor”

Vai haver o diabo
Prestes a chegar (bis)
Vai quebrar o Pequeno Polegar


1981
Enredo: De Daomé a São Luis, a pureza da mina Jêje
Compositores: Zé Maria D'Angola e Grajaú

Oiá oiá aiêiêô
As nações hoje estão em festa (bis)
Em louvor a Roioçama

Abalaxe de Ory, o noche
No Gume da casa grande
Em São Luiz do Maranhão, em iorubá eu vou
Falar do reino de Minas Jêje ô

Das pretas velhas, da meninada de vodun
Dos pagadores de promessa (bis)
E a fonte do Apicum

Quevioço, ô Dan
Quanta pureza o ritual de Daomé
Este povo vem mostrando
Sua nobreza e a fé
É carnaval das Tobossis
Entra como entrei, seja feliz

O que, o mana
O que que mamãe mandou buscar (bis)
Água de beber, água de benzer
Água da fonte para oferecer


1982
Enredo: A lenda do dragão dourado
Compositores: Taú Silva, Jacob e José Carlos Rego

Está no céu a testemunhar
O que o negro já sabia
O índio veio confirmar
E o branco viu, com sabedoria
Haver coisas entre o céu e o mar
Que a vã filosofia, nem pode imaginar
Nas brancas praias, nos palmerais
Não havia gemido nem ais
Dorso dourado, de ambição
Olhos de fogo, é maldição
Cruz em Credo, Ave-Maria
No paraíso chegaria
O gênio do mal, em forma de dragão

Queimando o verde
Solapando o mar (bis)
Dá flores e frutos
Para ele sossegar

Mas como sempre acontece
Com quem se enfraquece
O monstro ainda quer
Ela, a bela Indiara
Que Arati tanto amara
A flor virgem, flor mulher

Lança de prata, pena branca, cocar
Cresce tronco, sobe galhos sem parar (bis)
Estou na lua, para a fera aprisionar


1983
Enredo: A visita de Ony da Ifé ao Obá de Oyó
Compositores: Grajaú e Jacob

No ayê, no ayê
No ayê babá, obá obá (bis)
O filho de Olurum
De Olurum não atendeu Ifá

Oh Mãe Santa, clareia
Mostrai ao mundo um babalaô
Que fale de Ony Ifé Obá Oyó Oluô
E os ministros de meu pai Xangô

Enaê, enaê
Enaê emojubá (bis)
Deixa oxalá passar

Tem maldade nos caminhos de Exu
Na floresta oi, o cavalo de Kaô, Kaô
Motivou a prisão do nosso pai Oxalá, Oxalá

E o Orum desabou (bis)
A miséria iImperou no ayê de kaô

Salubaê, salubaê Nanã Buruquê
Reconheceu o seu amor
A paz voltou ao reino de Xangô
Ofereceu o trono em troca do perdão
Oxalá quer água em troca da humilhação

Ofilalaê, hoje é festa pra você (bis)
Ofilalaê, hoje é festa pra você

Oyá Oxum Obá dançam alegremente para Oxalá
No cortejo ao som do alabé, do alabé
A corte de Oyó oferecendo presentes e flores
Nasceu Oxumaré enfeitando o Orum e o Ayê


1984

Enredo: Beth Carvalho, a enamorada do samba
Compositores: Edmundo Souto, Paulinho Tapajós, Iba Nunes e Luiz Carlos da Vila

Bate outra vez mais um samba no meu coração
Beth outra vez arrebata de emoção a multidão
Brotou no jardim da Gamboa, essa menina flor
Bailarina, dançou, encantou e assim que cantou
Desabrochou por fim
Nos festivais, todo povo aplaudiu
E sua andança o mundo então seguiu
Onde você for quero ser seu par
A cantar, a cantar
Quero ser o samba e te enamorar
Namorar, enamorar
Cantou pandeiro e viola
Nelson Cavaquinho e Cartola
O samba no pé, o povo na mão
Querendo salário, pedindo feijão
Gritou com toda força pra moçada
Agora tá na hora da virada, porque

Porque (ora porque) o seu sonho mais profundo (bis)
É o dia que o samba venha dominar o mundo

(Fala Cacique)
Cacique, Mangueira e o seu Botafogo
Ardendo nas veias paixões como fogo
Beth embala Luana, Beth quer te embalar
Beth embala Luana, pra Luana não chorar
(Mas chora...)

Chora, não vou chorar (eu não vou chorar) (bis)
Nem lamentar o que passou

Bate outra vez...


1985
Enredo: A festa é nossa, ninguém tasca ou Ri melhor quem ri por último
Compositores: J. Leão, João do Cabuçu, Celsinho, João do Cavaco e Jorginho Harmonia

Hoje vou sonhar com a liberdade
Eu vou, eu vou sonhar (sonhar, sonhar)
E contando a nossa história
De tristeza e alegria
Nos seus braços vou deitar (e vou contar)
Zé Carioca eu sou (eu sou)
Vim de terras do além-mar

Vi a luz da liberdade
Se apagar na mão covarde (bis)
De quem veio explorar

Os índios antes livres foram massacrados
Trocaram sua tanga pela calça lee
E o negro escravizado
Em Quilombos se refugiou
Até a influência européia
A nossa cultura modificou

Quem quer vai
Quem espera sempre alcança (bis)
Do brasileiro ninguém tira a esperança

Fracassaram pela traição
As tentativas de libertação
A independência
A aristocracia foi quem fez
Mas foi o povo que pagou
E até hoje a liberdade tão sonhada não chegou

Liberdade, oi
Para este povo sofredor (sofredor)
Que já está de saco cheio
De comer o pão que o diabo amassou
(Falei que a festa é nossa) (bis)
A festa é nossa
40 anos vamos festejar (festejar)
A festa é nossa
Viemos comemorar


1986
Enredo: Deu a louca na história! E agora, Stanislaw, como é que fica?
Compositores: Beto Pernada, Orlando, Ney, Celsinho e Fernando

Muitos anos se passaram
Num devaneio de um criador
Foi trocando a história
Que Cabral num "14 Bis" chegou
Xi, seu Cabral, seu Cabral
Cuidado com o jacaré, jacaré
Chama o índio e mata a fera
Se quiser pisar em terra
Senão você não vai descer
A missa ao som de um órgão era uma onda
Rezada por uma freira
Cruz credo, na batina tem dendê, oi

Chica da Silva
Loira pura angelical (bis)
Corria o céu
Em sua nave espacial

Do grito veio a independência
Carmem Miranda empinou o seu bumbum (seu bumbum)
Montada em uma girafa
Cantarolava thica thica thica bum

Thica thica thica bum
Bum bum bum (bis)
Thica thica thica bum
Mas que bumbum

Vejam a zorra que se deu na Abolição
A nega Clementina aboliu a escravidão
Assinando a Lei Áurea em cima de um fogão
Está na hora, vamos valsear
Dançar o "corta-jaca" até o dia clarear
Está na hora, vamos valsear
A banda tira um "sarro"
E joga a música no ar
O gigante despertou, ô
E foi à luta contra a águia impoluta
Tenta o golpe derradeiro
É sonho, chegou fevereiro
Veja o que aconteceu
Stanislaw, e como fico eu

Deu a louca na história
Eu não fiz isso por mal (bis)
Olha o povo delirando
Porque hoje é carnaval


1987
Enredo: Roberto Carlos na Cidade da Fantasia
Compositores: Adilson Gavião, Adalto Magalha e Sérgio Magnata

Surgia na manhã o rei sol
Na carruagem que corria o infinito
Apolo dedilhava sua lira
Soavam notas que tocaram a tez de um mortal
Assim nasceu Roberto Carlos na canção popular
E hoje em festa e fantasia
Na corte da alegria vem cantar

E quem sou eu, nessa cidade encantada
Sou mensageiro do amor (bis)
No esplendor da madrugada

"Olha", você sabe muito bem
Certos "detalhes" de uma vida agitada
O que me vale é a 'palavra amiga'
Sempre tão querida do meu camarada
Um "amante à moda antiga"
Nesse palco de "emoções"
Quero um amor seja eterno
O resto "'que vá tudo pro inferno"

Oh, meu Brasil "verde e amarelo" (bis)
Meu Cachoeiro de luar tão belo

Oh, noite, não se vá sem levar
De presente meu coração
Quem sabe nessa longa "cavalgada"
No meu alazão de prata
Eu encontrei inspiração
E cantar pra você outra vez
"A nossa canção"


1988
Enredo: O mundo mágico dos Trapalhões
Compositores: Adilson Gavião, Adalto Magalha e Sergio Magnata

Hoje a tristeza não vai mais atrapalhar
Quero festa em todos os corações
Pois a minha escola o povo vai contagiar
Com a alegria dos Trapalhões
Quero em cada boca um sorriso
No meu peito eu preciso dessa emoção
Desperte em você essa lembrança
Vem comigo ser criança
Na carona da ilusão

Didi, Dedé
Mussum e Zacarias (bis)
Seu mundo é
Encanto e magia

Dignidade de palhaço
Faz vibrar o povo brasileiro
Mestres do sorriso
Transformam a avenida em picadeiro
Pintando o sete eu vou (eu vou)
Mil gargalhadas pra esquecer o desamor
Nossa tristeza é ver criança abandonada
Maltrapilha na calçada
Tão carente de amor
Oh, meu Brasil
Não esqueça dela por favor

Mineiro bom
Cadê o mé (bis)
Olha, cigano
O cearense diz no pé


1989
Enredo: Milton Nascimento, sou do mundo, sou de Minas Gerais
Compositores: Beto Pernanda, Rebello, Ney do Cabuçu e Jadir

No bailar do vento
Me abracei à poesia
O astro-rei me iluminou pra eu falar
Desse poeta genial
Um patrimônio da cultura musical
Da terra importante na história do Brasil
De Aleijadinho e Tiradentes
Milton Nascimento
Aqui se faz presente
Ele é do mundo
É de Minas, é da gente

Nesse trem azul
Vou fazer a travessia (bis)
Solto a voz pelas estradas
No raiar de um novo dia

Elis, ah Elis
"Quantas saudades" e do Clube da Esquina
Canto Latino-Americano
"Cio da terra", fecunda o chão
O negro reza por sua libertação

Sentinela, sentinela
A força, a raça, a magia (bis)
Maria, Maria, oh Maria

Querido Menestrel das Alagoas
Sua voz ainda ecoa entre nós
"Coração de Estudante"
Cintilante como estrela
É o planeta blue


1990
Enredo: Será que votei certo pra presidente?
Compositores Afoncinho, João Anastácio, Walter da Ladeira e Carlinhos do Grajaú

O sol da liberdade
No horizonte enfim raiou (bis)
Com rara felicidade
O povo livre votou

Vejam só
A ironia do destino está presente
Vejam só, parece mentira eu votei pra presidente
Era muita pilantragem
A mais grossa sacanagem
Uma Avilã, podes crer
Por trás de tanta lambança
Uma luz uma esperança
Firme em cada alvorecer

Eu votei
Se votei certo, só mesmo o tempo dirá
Peço a Deus sinceramente (bis)
Que ilumine o presidente
Desde agora, desde já

Proteção ao índio
À flora e aos pantanais
O ouro é nosso
Não deixe ser extintos os animais
Senhor presidente, pra essa miséria ter fim
Faça um governo capaz
Dê melhor vida amor e paz
O povão espera assim


1991
Enredo: Aconteceu Virou Manchete
Compositores: Ney do Cabuçu, Jadir, Carlinhos Madureira e Roberto Gamação

Aconteceu, virou "Manchete" por aí
É a Cabuçu que homenageia
O menino de Kiev na Sapucaí
Vindo lá da Russia tão distante
Trazido pelos mares do Senhor dos Navegantes
Com saúde de riqueza um pilão
A vida só é vivida com amor no coração

Shalom, shalom Chagal (bis)
Foi consagrado na pintura mundial

Quantas saudades de pierrôs e colombinas
Nas batalhas de confetes
Era um colorido genial
Na Praça Onze, a alegria era geral
No velho, bonde se fazia o carnaval
O senhor Adolpho Bloch
Ainda ajuda a cultura nacional
Com a imprensa, falada e televisada
Mostra os costumes dessa terra tão amada

Brasil de JK (bis)
Reverencia o homem que veio de lá

Anastácia, Corpo Santo e Kananga do Japão
A bela imagem do Pantanal
Fascina o povo com seu lindo visual


1992
Enredo: Xuxa, o sonho vira realidade no xou da Cabuçu
Compositores: João Ferreira, Orlando Negão, Sereno e Robertinho da Matriz

Era uma vez, uma história deslumbrante
Um mágico universo de ternura
Contagiou este sonho colossal
Era prenúncio de alegria geral
Lirismo que embala a ilusão
Onde cabelos dourados
Voavam na brisa da imaginação
Na viagem encantada
Numa poça azulada, encontrou
O Dragão do Xuxexo e o Rei do Glamour
Botos cor-de-rosa, moderninhos
No império dos baixinhos

Sem essa de baixo astral
A vida é um doce, a lua é de cristal (bis)
A Cabuxu é um planeta triunfal
Ilariê, Ilariê no carnaval

Com um turbilhão de cores
A Cabuçu vem mostrar
A trajetória desse mito popular
Voando em sua nave de ilusões
A Xuxa alegra a milhões de corações
Para os baixinhos e altinhos
Ela canta com eterna emoção

A Rainha e sua corte no carnaval (bis)
Beijinhos, beijinhos, tchau, tchau, tchau


1993
Enredo: De quadrinho em quadrinho, lá vai meu recado
Compositores: Carlinhos Mad, Nei do Cabuçu, Jadir e Di Miguel

Extra, extra, extra
Esta é a maior revelação do carnaval
É a Cabuçu que homenageia
Mauricío de Souza
Ele é manchete nacional
O criador deste universo infantil
Que tem lindas histórias em quadrinhos
Mônica, a menina inspiração
Os outros personagens criação
Cebolinha, Magali e o Cascão
Essa turma faz a maior confusão

Chico Bento vem pra roda
Que o Piteco vem aí (bis)
O Rolo está contente
Também quer se divertir

O nosso Pelezinho
Mostra ao mundo a arte de jogar
Jotalhão, o mais amado
O Sansão todo empanado
Orácio, Astronauta e o Pererê, rerê
Penadinho, o fantasminha camarada
Lucinda, Franjinha e Bidu
Anjinho praticando boa ação
Tina mora no meu coração

No espaço me liguei
Na minha mente bailei
Hoje sou criança (bis)
E neste mundo infantil
Me embalei


1994
Enredo: Brajiru, meu Japão brasileiro
Compositores: Ney do Cabuçu, Jadir, Karlinhos Madureira e Werneck

No despertar do sol, 18 de junho
Bagagem em punho, desembarcam no Brasil
Eram os primeiros imigrantes japoneses
Trazendo a cultura oriental (oba)
A convite do governo brasileiro
Navegaram nesse mar azul
Kasatu-Maru, a pioneira embarcação
Rebuscando os seus novos ideais
Conduzindo o seu arado
O cultivo do grão evoluiu (ô evoluiu)
O plantio do arroz e do café
Faz a troca do chá com o Brasil

Paciência japonesa, a Cabuçu soube esperar (bis)
Hoje põe cartas na mesa, sayonará, sayonará

Bicho da seda, tecidos e mantas de algodão
Ciência, arte da inspiração e origamis na decoração
Gueixas com quimonos estampados
Ensinadas a servir e seduzir com muito amor
Incenso pra livrar o mau-olhado
E lindos leques pra espantar o calor

Monges guerreiros, samurais
Buda, imagem da religião (bis)
E no judô, o meu Brasil é campeão

E quando, chegou a tecnologia
A inteligência superou, oi alô alô
Trazendo o vídeo e a fotografia
Televisão em sintonia, pra vocês arigatô
Quem vai à Liberdade, vai a um pedacinho do Japão
(Só pra ver como é que bom)
Cerejeira é uma festa popular
Tanabata é a lenda do amor
Banzai é uma arte milenar
Do país do futebol ao Império do Sol Nascente
Misturei sakê com samba, pra alegrar a nossa gente
Misturei sakê com samba, pra alegrar o nosso carnaval


1995
Enredo: Um abraço na Cinelândia, 60 anos do Teatro Rival
Compositores: Zeca, João Anastácio, Wawa do Cabuçu e Nicolau

É carnaval ôôô
Abriu-se a cortina para o show
Mostrando nesse palco iluminado
A arte fascinante que o teatro irradia
Tudo começou com Francisco Serrador
O criador da Broadway brasileira
Que hoje encanta esse Rio de amor

Obelisco, Avenida Central
Galeria Cruzeiro (bis)
Teatro Municipal

Museu de Belas Artes
Desenvolvimento do artista no Brasil
Biblioteca Nacional
Valor histórico sem igual
Amarelinho, a resistência
Que o progresso não calou
E o Palácio Pedro Ernesto
Um grande acervo
De memória cultural
Peças, comédias e shows
Fazem do Teatro Rival
O precursor do artista nacional
Axé a Walter Pinto, Alda Garrido
Oscarito, Grande Otelo e outros mais
Orgulho do cenário brasileiro
Que não esqueceremos jamais

Batam palmas na avenida
Batam palmas pro Rival (bis)
Cabuçu vem desfilando
Alegrando o carnaval


1996
Enredo: Do Reclame ao Merchandising, a História da Propaganda no Brasil
Compositores: Carlos Werneck, Karlinhos Madureira, Sérgio Magnata, Beto Pernada, Ney do Cabuçu e Jadir

Explode coração nessa avenida
A emoção é pra valer
A minha Cabuçu de bem com a vida
No seu cinqüentenário vem dizer
Foi através do mar (do mar)
Que Pero Vaz de Caminha
Começou a propagandear
Fez uma carta ao rei de Portugal
Anunciando o eldorado tropical
O índio, o branco e o negro trocaram prosas
Em ritmos de danças e canções
E o gingado pelo mundo se espalhou
E foi assim que o jornal anunciou

Quem quer comprar um negro, sim senhor
Ele é fujão, reprodutor (bis)
E uma negra boa de leite
Que a criança esperança alimentou

As amarelinhas, no rádio o direito de nascer
E na TV quem não se comunica eu quero ver
Aconteceu, virou uma boa idéia
Trinta anos, tudo a ver
Mercedes Benze, Maria reza
Tintones vai correndo a sacolinha
Não entre nessa, meu ilustre passageiro
Sendo assim, quero petróleo brasileiro

Sou a número um, sou paixão nacional
Sou propaganda, sou enredo musical (bis)
Estou aí para brilhar no carnaval


1997
Enredo: Todas as Marias de Nossa Terra
Compositores: Ney do Cabuçu, Carlos Werneck, Jadir, Sérgio Magnata, Beto Pernada e Di Miguel

Brilharam as Três Marias
Fazendo a noite virar dia
Iluminando a nossa moradia
Maria, o teu nome principia
Tens a pureza da flor
Aventurada em missão de amor
Foi escolhida pra gerar o Rei dos Reis
Abençoada pelas mãos do Criador
Voa Ave Maria
Traz lá do céu pra nossa terra alegria
Eu sou um fruto da sua raiz
Santa Maria que me faz feliz

Com lata d'água fez um banho, Maria
Na estória o seu par, foi João (bis)
Deixou fumaça por onde passou
Jogando tênis, meu Brasil foi campeão

No tempo em que o país era colonial
Dona Leopoldina imperava na Corte Real
Quitéria, heroína da libertação
E a Bonita dava ordem no sertão
Hoje a minha Cabuçu faz exaltação
A todas as Marias, sejam famosas ou não
Escaldalosa, Teimosa, que não é de Ninguém
Maria branca é meu bem
Maria mole me faz bem

Já dizia o poeta, Maria Maria
Gal Costa e Bethânia na canção (bis)
"Maria Graça" fez um "X" na minha mão


1998
Enredo: Toda a sorte do mundo
Compositores: Ney do Cabuçu, Carlos Werneck, Sérgio Magnata, Jadir, Karlinho’s Madureira, Robertinho da Matriz e Di Miguel

Brilhou, brilhou, brilhou e clareou
A Cabuçu traz o passado ao presente
Na inteligência de um futuro jogador
Com toda a sorte do mundo
Disputa o grande prêmio
Desfilando com amor
Quebra-cabeça, pra aprender jogar xadrez
Jogo de bola e amarelinha
Hoje mostramos pra vocês
A verdadeira arte do lazer
Tem coelho na cartola
Eu sonhei com a filharada
Vou fazer uma fezinha
Meu palpite é uma barbada
Quem tem sorte vem jogar
Estou rifando um coração
Você já deu sua raspadinha hoje
Ouço no rádio e na televisão
É a última cartela, jogo de bingo é uma cartada
Vem me dar uma moeda, que a roleta foi girada
E o perigoso jogo do amor
Do solitário e o computador
Minha escola entre de lona
Pra mostrar o seu valor
Jogar com a vida
Contar com a sorte na jogada
Tem que ter manha e astúcia
No Búzio a sorte está lançada


1999
Enredo: O meu cabelo não nega
Compositores: Sereno, Carlinhos Melodia, Junior e Nicolau

A Cabuçu contagiou
E me levou nesta folia
O cabelo não nega
É encanto, é época
É mistério, é magia
Já deu força e poder pra uns
Lançou modas e costumes
Serviu de tema, piada e poema
Tristeza e alegria

Falso ou verdadeiro
Em cor ou natural (bis)
Nasce com a vida
Muda o visual

Através do homem segue a história
Muitos mitos, tantas glórias
Na arte, a tradição do ritual
Tinturas e henês que vão surgindo
Modulando com toques divinos
É mais lindo e sensual
Pra quem duvida ou brincou de amor
A ciência prova na essência que ficou
(Vem amor)

Vem amor, que o rei mandou
Vamos festejar, hoje a noite é nossa
Herança da raiz (bis)
Que encarola ou enrola
Ou deixa livre pra voar


2000
Enredo: Brasil 500... ano 2000, Cabral faz a festa no Brasil
Compositores: Paulo Samara, Anderson e Márcio

A imaginação se faz presente
Emoldurada de belezas naturais
Ritmos, costumes e festanças
Folclore, futebol e rituais
Brasil 500 é a Cabuçu, é carnaval
Os contrastes que vieram da nobreza
Desta terra descoberta por Cabral (por Cabral)
Mostrando para todos as riquezas
Deste país tropical

Hoje é paz, é liberdade
É amor no coração (bis)
Na igualdade das três raças
Deu-se a miscigenação

Brasil, Brasil 2000
Que fascínio é o Rio de Janeiro
Tem pagode o ano inteiro
Padre maneiro para abençoar
A beleza dessas matas, a fauna e o nosso chão
O e-mail ao rei foi a confirmação
Na certeza do amanhã, é só acreditar
Nessa terra, o que se planta dá

O futuro a Deus pertence, pra que discutir
Lindos sonhos de crianças, mundo de ilusões (bis)
Outros povos, outras raças, a cultura é universal
Para o terceiro milênio, eis a festa de Cabral


2001
Enredo: Cabuçu canta e encanta com o canto das sereias
Compositores: Carlinhos Melodia, Wanderlei Araújo, Chiquinho da Passarela e Valdir da Mina

Linda estrela brilhou
Do céu clareou a cidade inteira
Tem poesia no ar
Cabuçu vem contar o canto das sereias
Seu canto seduziu os cantos
A voz um encanto deu vida é mãe
Calou os deuses da mitologia
Profana ou santa de alguém é paixão

Negra ou branca, morena
Fez Caiurá se apaixonar (bis)
Nas curvas perfeitas do seu corpo lindo
Me fez pecador somente em pensar

No mar, mãe sereia encantou
E também assustou
Fez navio afundar
No rio, Iara mandou
A floresta parou para ouvi-la cantar
Os trancos que a vida lhe deu
Superou as barreiras, rompendo fronteiras
Mulher alcançou seu lugar na sociedade
A igualdade, seu direito de razão
Ainda hei de ver você, mulher
Comandar minha nação
Ao povo, seu poder será verdade
Fraternidade com amor e união

Foi você quem me deu a vida
Se sou o que sou, quem és (bis)
Dificuldades vencidas
Hoje eu sei que só o bem me quer


2002
Enredo: Se reciclar não vai faltar
Compositores: Chiquinho Passarela, Carlinhos Preto, Roberto Gamação e Neca Bittar

Chegou a hora
De se unir para salvar este país (este país)
Eu não quero ver tristeza
Chega de tanta pobreza
Que o futuro seja mais feliz
A Cabuçu vem declarar
É que reciclando dá
Só nos resta é tentar
Use a criatividade
Tudo em prol da humanidade
Que as coisas vão melhorar

Que maravilha
Tudo pode aproveitar (bis)
No lixo muitas riquezas
Nós podemos encontrar

Chega de agressão a natureza
Olha só, quantas belezas
Nós podemos construir
Colares, flores e vasos de plantas
Diversos objetos artesanais

Tem magia na avenida
Tem tem tem
Tens um elo com a emoção (bis)
De um lindo sonho
Encontrei a solução


2003
Enredo: Cores Brilhos e Fantasias, Abram Alas para a Folia
Compositores: Robson, Paulo Figueiredo, Paulinho da Área e Carlos Júnior

Terra
Abençoada e cheia de luz
Onde o samba é alegria
Pelos quatro cantos tem folia
É bom recordar como surgiu
Pierrô, Arlequim e Colombina
Numa longa viagem
O entrudo rompeu fronteiras
Enriquecendo o folclore brasileiro
Boi-bumbá, dança das fitas e a festa do reisado
Bumba-meu-boi do Maranhão
A sua dança me contagia
Bailando ao som dos atabaques e pandeiros
Parece sonho é pura magia
Nos braços dessa poesia
Bate bateria, minha emoção
Com cores, brilhos e fantasias
Abram alas pra folia
Que a Cabuçu veio mostrar seu chão
Como é lindo o azul do mar
O branco, a paz e a esperança pairam no ar
Prateando a noite pra quem quer amar
A dendeca faceira alegrando o olhar


2004
Enredo: Therezinha Monte, A guerreira do samba e seus 20 anos de folia na Cabuçu
Compositores: Paulo Figueiredo, Dudu Mendes, Telmo Augusto, Paulinho da Área e Carlos Junior

O seu olhar desperta alegria
Vou viajar na trajetória da sua história
Seu dom de escrever e apresentar
Fez tanta gente sonhar
És orgulho em nossa memória
A vitória que ajudou a conquistar
Hoje a primeira campeã da Passarela
Te exalta, te abraça
Te faz enredo nesse carnaval

Pra acalmar seu coração
E a emoção ter mais razão (bis)
Vem amenizar nossa saudade
Você traz felicidade

Passados 20 anos de glória
Enredos que fizeram delirar
Beth Carvalho, Rei Roberto, Os Trapalhões
Xuxa, Maurício de Souza e outros mais
Guerreira do samba
Grata aos que puderam lhe ajudar
Therezinha Monte
Tens um brilho que não se apagará
(Eu vou...)

De azul e branco, amor
Vamos cobrir esta avenida (bis)
É carnaval, é Cabuçu
É alegria


2005
Enredo: Pindorama, paraíso de belezas naturais, hoje terra de todos, depois só Brasil
Compositores: Paulinho da Área, Carlos Júnior, Neca Bittar, Chiquinho Passarela e Reginaldo

Fauna, florestas, belezas naturais
Paraíso de encantos e riquezas
Terra de todos Pindorama é Brasil
Na fé das divindades
Seguem o costume em preservar
Sem ganância as tribos sabiam desfrutar

Cada aldeia um cacique
O índio com muita fé (bis)
Na União das tribos
Buscam a cura com Pajé

Na caça, na pesca
Canoa, arco e flecha
Da palha, objeto artesanal
Rios de águas de límpidas
O solo é fértil
Tudo que se planta dá
Na chegada do homem branco
Tudo se modificou
Trazendo destruição e dor

O grito do índio ecoou
Na luta contra a escravidão (bis)
E na preservação da natureza
Pra grandeza da nação


2006
Enredo: A mão que varre este chão segura com firmeza essa nação
Autores: Marcelo Rodrigues, Neca Bittar, J. Carlos, Vinicios, Willian, J. Grande e Luiz Maia

Sorria meu povo
Podem aplaudir
Hoje o Renato encanta
Sacode e balança
O rei dos oprimidos é um gari
Todos simples operários
Que vão cedo pro trabalho
Pra família sustentar
Senhor político, põe a mão na consciência
Dê um basta a violência
Faça o Brasil melhorar

E brincadeira, eleito de novo
Não fez nada pelo povo (bis)
Deixando se levar à ganância
Um capital do Tio Sam

Nesses quatro dias de folias
Vou vestir a fantasia
Sem o preconceito social
Que o luxo junte com a pobreza
Modernizando a beleza
Lundu é dança, é união

Vou varrendo, eu vou varrendo amor
Vou varrendo esse chão (bis)
Sou Cabuçu e prego a paz
Pra firmeza da nação


2007
Enredo: Da Existência dos Pretos Forros ao Desenvolvimento do Méier
Autores: Sérgio Magnata, Ney do Cabuçu, Bill, Dudu Mendes, Carlos Júnior e Pedro Paulo

Foi felicidade e coragem
Quando o recanto começou a se formar
Nas encostas de um morro
Os pretos forros
Chegaram construindo um doce lar
Em Roça dos Alforriados
Transformaram todo o alto da serra
Criando centro agrícola e social
Na colonização foram pioneiros
Desse novo povoado

Evoluindo a expansão
Enfim surgiu a nova estação (bis)
E a necessidade do aumento de vias
Pro transporte da população

O tempo não vai mais voltar
Mas não importa, sua história é imortal
Rancho, corso e sociedade
Alegravam de verdade
A comunidade do carnaval
Fartura no comércio e na beleza
Saúde, segurança, lazer e educação
A modernidade alcançou
És um eterno patrimônio de valor

Hoje a Cabuçu
Com euforia vem contagiar (bis)
Exaltando o Méier na avenida
Fazendo o nosso povo delirar


2008
Enredo: Lendas e costumes, o tesouro folclórico de suas regiões
Autores: Silvio, Silvano, Lair, Fagundes e Marcelo Rodrigues

Viajando no folclore brasileiro, vou mostrar
Lendas e costumes regionais
E riquezas culturais
Nos meus versos vou cantar
Nesta avenida quero ver brincar

Bumba meu boi, reisado, maracatu
Hoje tem festa junina
Vem dançar com a Cabuçu

Pandeiros, sanfonas, violões
Guerreiros, brincantes foliões
E a galera se agita
No bailar leve das fitas
Encanta corações
Vem meu amor
Navegar nessa alegria
No bailado da baiana, eu vou
No sacode da bateria

Índio dança caiapó
Vou dançar o boi bumbá
Nessa folia hoje eu vou me acabar
 
Criar um Site Grátis    |    Create a Free Website Denunciar  |  Publicidade  |  Sites Grátis no Comunidades.net